Semifinal Copa do Mundo 2014 – Brasil x Alemanha

A semifinal da Copa do Mundo da FIFA entre o Brasil e a Alemanha, em 8 de julho de 2014, foi a primeira das duas meias-finais da Copa do Mundo de 2014. A seleção brasileira perdeu o jogo contra os eventuais campeões da Alemanha 1-7. Como a derrota até então mais alta nas semifinais de um futebol da Copa do Mundo, foi no Brasil o epíteto Mineiraço, sobre “choque de Mineirão”. Esta designação é derivada do nome curto “Mineirão” do estádio Estádio Governador Magalhães Pinto em Belo Horizonte e lembra o apelido de Maracanaço pela derrota do Brasil contra o Uruguai na Copa do Mundo de Futebol 1950 no Estádio do Maracanã. As partidas da copa do mundo, também são acompanhadas no Linha de Passe.

Histórico das Seleções

O Brasil venceu por 2 a 0 no único jogo entre as duas seleções nacionais em uma Copa do Mundo, a final da Copa do Mundo de 2002. A Alemanha venceu contra o Brasil apenas quatro vezes em 21 jogos internacionais. Doze vezes o Brasil venceu, mais recentemente nas meias-finais da Copa das Confederações 2005 com 3: 2. Na Taça das Confederações de 1999, o Brasil venceu a Alemanha por 4 a 0. A maior vitória da Alemanha contra o Brasil foi até então de 2 a 0 em 12 de março de 1986 em Frankfurt am Main. O último encontro entre as duas equipes foi em 10 de agosto de 2011, quando a Alemanha venceu por 3 a 2 no Stuttgart e alcançou a primeira vitória contra os brasileiros por 18 anos.

Ambas as equipes previram na fase de grupos da Copa do Mundo de 2014 com duas vitórias e um empate. A Alemanha derrotou a Argélia 2-1 na segunda rodada, o Brasil venceu o Chile 4: 3. Nos quartos-de-final, a Alemanha derrotou a França por 1 a 0, enquanto o Brasil venceu a Colômbia por 2 a 1. O Brasil atraiu pela 11ª vez na sua 20ª participação nas últimas quatro equipas em uma Copa do Mundo, para a Alemanha foi a 13ª vez no 18º torneio da Copa do Mundo. O Brasil foi o último em 2002, Alemanha 2010, em uma semifinal da Copa do Mundo. Para a Alemanha, também foi a quarta semifinal consecutiva desde 2002.

Dois importantes jogadores brasileiros não conseguiram jogar nas semifinais: Neymar, atacante e estrela incontestável da equipe, sofreu uma fratura lombar nas quartas-de-final com uma falta de Juan Zúñiga e o capitão do time, Thiago Silva, foi suspenso após dois cartões amarelos. Na equipe alemã apenas Shkodran Mustafi não estava disponível devido a uma lesão.

O treinador do Brasil, Luiz Felipe Scolari, estava confiante em chegar à final apesar do fracasso de Neymar. Observadores assistiram as duas últimas partidas da Alemanha e mostraram como elas poderiam ser espancadas. O treinador nacional Joachim Low lamentou a ausência de Neymar e falou de autoconfiança no jogo apesar da torcida para o oponente pelo público.

De acordo com o relatório Daily Telegraph, Scolari surpreendeu os jogadores brasileiros seis horas antes do início com uma mudança na formação: depois de treinar três médios Luiz Gustavo, Fernandinho e Paulinho para combater o meio-campista alemão Schweinsteiger, Khedira e Kroos Ele com pouco antecedência sobre Paulinho. Ele trouxe, em vez disso, Bernard na ofensiva na ala esquerda, sem ter ensaiado esta variante no treino.

Histórico jogo

O Brasil começou poderosamente, empurrando o time alemão pressionando agressivamente em sua área de grande penalidade e entrou assim dois minutos por Marcelo para uma primeira chance de marcar. O DFB-Elf sobreviveu à fase de pressão inicial sem sofrer gol, mas no minuto 11, Thomas Muller assumiu a liderança. Depois de um canto de Toni Kroos, marcou a bola de volta na caixa de seis jardas. O Brasil então intensificou seus esforços ofensivos. Os meio-campistas da Seleção comprometeram-se mais nas ações de assalto, mas todos foram ineficazes devido a passes ruins e negócios precipitados. No minuto 23, 0: 2 da equipa Miroslav Klose, que falhou depois de uma jogada em Kroos e Müller na área de grande penalidade, em primeiro lugar para o goleiro Júlio César, mas poderia aproveitar a recuperação.

Nos seis minutos seguintes, o time alemão marcou mais três golos: o primeiro Toni Kroos encontrou-se no minuto 24 depois de um cruzamento do capitão da equipe Philipp Lahm, que perdeu Müller, com uma derrota direta com o lado esquerdo da área de grande penalidade. Kroos marcou seu segundo gol dois minutos depois e apenas 20 segundos após o reinício, depois de um dois com Sami Khedira no ponto de penalidade. Depois disso, Khedira aumentou no minuto 29 em conjunto com Mesut Özil por um leggap contra Maicon para a pontuação de meio dia de 0: 5. Várias centenas de espectadores brasileiros já tinham deixado o estádio neste momento.

Após o intervalo, o Brasil obteve uma boa chance de Oscar no 52º e segundo lugar do substituto Paulinho no minuto 53, mas falhou nas duas vezes com o guarda-redes Manuel Neuer. O substituto André Schürrle, de 58 minutos, substituiu Miroslav Klose por marcar 0: 6 e 0: 7. Schürrle marcou seu primeiro gol 11 minutos depois de sua substituição no ponto de penalidade após um passe cruzado na área de penal por Philipp Lahm. O segundo gol, dez minutos depois, ele sentou-se depois de um cruzamento por Thomas Müller no duelo de corrida contra David Luiz e chutou a bola de perto no fundo do travessão, do qual se recuperou no gol. Como um bode expiatório para a alta derrota emergente, os espectadores brasileiros entretanto escolheram o atacante Fred, que foi aborrecido em cada contato de bola e considerado com insultos até o treinador Scolari substituí-lo durante o Torjubels alemão para 0: 6. Pouco antes de Mesut Özil ter cedido um possível 8-0 após o tiro de Julian Draxler, Oscar marcou um gol de consolo para os anfitriões no minuto 90 após um longo passe de Willian e um duelo com Jérôme Boateng. Este foi ao mesmo tempo o último gol do Brasil na Copa do Mundo em seu próprio país.